História

Datas relevantes

 1 de Outubro de 1953 – Fundação do Juventude Azeitonense.

17 de Maio de 1990 – Louvor da Câmara Municipal de Setúbal, por serviços prestados na área do desporto.

1 de Outubro de 1993 – Medalha de honra e mérito da Junta de Freguesia de S. Lourenço de Azeitão, por serviços prestados na área do desporto, entregue nas comemorações do 40º aniversário.

8 de Novembro de 1993 – Considerada pessoa colectiva de utilidade pública, por aprovação governamental.

Emblema2

 Historial

A data oficial de fundação do clube é o 1 de Outubro de 1953, data em que os Jovens Fundadores se juntaram e decidiram avançar com a referida Fundação.

Esse grupo era enquadrado pelo Sr. Padre Agostinho Gomes (responsável na altura, pela paróquia de Azeitão), o Sr. João Pedro Santos e o Sr. Padre João Gonçalves, que estaria por estas terras, de passagem. Como a sua formação vinha dos Salesianos, logo se pensou na formação de uma equipa de hóquei em patins, sendo esse o embrião da colectividade.

A esse grupo de jovens foi dado o nome de “grupo das três e vinte”, hora do exacto momento em que no salão contíguo à igreja de S. Lourenço, no primeiro andar, e local de catequese, a ideia passou a definitiva. A força dos ideais juvenis começava a criar raízes. A designação do clube saiu da votação entre os rapazes e das várias hipóteses surgidas, a proposta do jovem António Augusto Nogueira Sousa foi a escolhida.

E assim nasceu o JUVENTUDE AZEITONENSE.

Fundadores do Juventude Azeitonense - 1953
Fundadores do Juventude Azeitonense – 1953

A ideia foi-se desenvolvendo, estabelecendo-se um grande momento para o arranque da primeira pedra, em local apropriado. Secundando esta ideia, D. Sofia D’ Avillez colocou à disposição dos rapazes o terreno (local actual) para a implantação da sede e do campo desportivo.

Muito esforço, dedicação e trabalho estavam para vir, desde o arrancar de ervas, até ao transporte de terras e pedras, mas tudo se foi fazendo com o entusiasmo e o querer dos jovens e alguns adultos de então, enquadrados pela generosidade do Reverendo Padre Agostinho Gomes.

Foi-se assim construindo o campo desportivo e já com um aspecto mais airoso e desportivo, depois de tratada a documentação oficial, estatutos, regulamentos e instalações, foi inaugurado o campo desportivo de Santa Sofia em  1 de Outubro de 1953 – data oficial de fundação do Juventude Azeitonense.

Foi com certeza um momento de imenso prazer para todos aqueles rapazes que um dia tiveram uma ideia e acabaram por ver a sua concretização. Quer para as presentes quer para as gerações vindouras, a lembrança desta juventude deve ser um talismã para que nos momentos difíceis haja forças para prosseguir.

Rinque do Juventude Azeitonense em 1956
Rinque do Juventude Azeitonense em 1956

A primeira equipa a realizar jogos oficiais saiu ao terreno no ano de 1958, para disputar o campeonato de Juniores. No Juventude Azeitonense, sempre se investiu nas equipas seniores de hóquei em patins e para além do aspecto desportivo é de realçar o facto de na época 1968/1969 ter brilhantemente alcançado a primeira divisão nacional. Seria no dizer de alguns, “a equipa que arrasta mais gente para assistir a jogos de hóquei em patins”.

A estes rapazes cheios de alegria se deve o bom nome alcançado pelo Juventude Azeitonense, quer pelo respeito que incutiram nos adversários, quer pelas vitórias que alcançaram nos campeonatos Distritais da Associação de Patinagem de Setúbal, nos escalões de Iniciados, Juvenis e Juniores.

Depois de algumas fases conturbadas do clube, nas décadas de 60 e de 70, começou-se a pensar nos mais novos e em finais da década de 80 as camadas jovens tiveram um maior realce, altura em que muitos atletas oriundos da nossa região passaram pelo clube, investiu-se nas escolas de aprendizagem para que houvesse maior afluxo de atletas a fim de se poder ascender aos escalões superiores conforme a idade avançava, sem prescindir dos escalões etários mais baixos.

Em meados dos anos 90, por dificuldades financeiras, a Direcção do clube eliminou mesmo o escalão sénior, mas apostou forte nas camadas jovens, formando em 1993, em colaboração com a Câmara Municipal de Setúbal, as escolas de hóquei com iniciação à patinagem, chegando a contar com cerca de duzentos alunos a partir dos quatro anos de idade, a cargo de dois professores.

A criação da escola de Patinagem deu também origem à Patinagem Artística, modalidade praticada essencialmente por jovens do sexo feminino com excelentes classificações em confronto com outros clubes e que somou ao longo dos anos vários prémios na realização de provas oficiais para testes e classificações nacionais, efectuando várias deslocações para demonstrações tanto a nível regional como a nível nacional.

Para além da modalidade que deu origem ao clube, o hóquei em patins e da patinagem artística, outras tiveram a sua actividade no clube, tais como basquetebol, futebol de salão, andebol, tiro aos pratos, ténis, karaté, ginástica de manutenção, etc., que foram interrompidas, visto as capacidades reais e a disponibilidade humana e financeira do clube estarem ultrapassadas.

Para benefício das actividades desportivas do Juventude Azeitonense a Direcção presidida pelo Sr. Comandante António Branco conseguiu a tão desejada cobertura no ringue, transformando-o em pavilhão, com a ajuda entre vários, da Câmara Municipal de Setúbal, da Junta de Freguesia de S. Lourenço de Azeitão, da colaboração preciosa da firma Ramos & Varela. Foi graças a estas e a outras pessoas, algumas que ficarão sempre na sombra, que Azeitão tem hoje o seu pavilhão.

Actualmente o Juventude Azeitonense mantém em actividade cerca de 150 atletas, com quase todos os escalões em competição, tanto na vertente de hóquei em patins como na patinagem artística e mais recentemente o futebol e a ginástica.

O Juventude Azeitonense, para além do mais é, há muitos anos, o baluarte do concelho ao nível do desporto patinado, o hóquei em patins e a patinagem artística. A caminhada tem sido dura, ultrapassando alguns desencantos, cansaço, incompreensões, injustiças e dificuldades de apoio, algumas actividades no clube, foram interrompidas visto as capacidades reais estarem ultrapassadas.

A vocação primeira do Juventude Azeitonense, o patim, terá que ser sempre incentivada, sob pena de que a sua cultura desportiva venha a ser atraiçoada. O Juventude Azeitonense foi, é e será sempre “tudo” o que os Azeitonenses entre as várias direcções, seccionistas, atletas e amigos do clube têm sabido vivê-lo.